06 março 2007

No Quarto

Nalgum lugar havia o chão
Grosseiro corpo sereno
Amontoado de massa plano e pleno
Indiferente ao cheiro e à escuridão

Nalgum lugar havia o colchão
Estofado de palhas e penas
Situado por sobre o estrado da madeira
A declinar-se com o remexer da solidão

Nalgum lugar havia o livro
Conjunto de papéis escritos
A desprezar o pulso e a respiração

De algum lugar viria o grito
Freqüência de onda a compor
A melodia da emoção

2 comentários:

Doutor X disse...

Caríssima!

È com saudades que retorno ao teu blog.
E eis aí um poema à la Dalton Trevisan ou mesmo Kafka.
Retorno mais vezes.
Considerações saudosas.

Thiago Quintella disse...

E aqui nesse lugar recebemos seus bons poemas Dani!